terça-feira, 15 de agosto de 2017

Roteiro Escócia - Dia 3 HIGHLANDS : Inverness, castelo de Urquhart, Lago Ness e Eilean Donan Castle

No terceiro dia na Escócia, saímos cedo de Edimburgo rumo à Inverness. Alugamos um carro no aeroporto, utilizando a Hertz. O carro foi imprescindível para fazermos este roteiro no número de dias que tínhamos disponíveis. Caso você não deseje alugar um carro, há várias opções de tours que saem de Edimburgo, alguns inclusive no esquema bate-e-volta.




Seguimos a rota A9, passando próximo a Perth, num trajeto de pouco mais de 3 horas e meia até Inverness. Durante este trajeto, passamos por paisagens lindas nas Highlands.




As Highlands, ou "terras altas", em livre tradução para o português, são uma região ao norte da Escócia, caraterizada pelo seu relevo montanhoso. 


Não há um roteiro certo nas Highlands. Cada cantinho releva novas montanhas (algumas cobertas de neve), cortadas por riachos. Parávamos e descíamos do carro várias vezes apenas para tirar uma fotos. A estrada é relativamente deserta e possui vários recuos para paradas mesmo.








De um modo geral, as principais atrações turísticas da região são o castelo de Eilean Donan, o vale de Glencoe, a cidade de Inverness, o Lago Ness, o viaduto de Glenfinnan e a Ilha de Skye.


Seria um cenário de Harry Potter ? haha 

Durante a era feudal, a região era bastante habitada por escoceses. Porém, com a industrialização do país, uma onda de migrações atingiu as Highlands e hoje o local é um tanto quanto "inabitado". Sua capital administrativa é a cidade de Inverness, que atualmente conta com cerca de 200 mil habitantes. 







INVERNESS 

Nossa primeira parada "de verdade" foi em Inverness. Estacionamos direto na porta do castelo da cidade. 





Infelizmente não estava aberto para visitação e a parada foi muito rápida. Depois, andamos um pouco ao lado do rio Ness e tiramos algumas fotos. 






Inverness é uma cidade muito bonitinha mas nosso foco era o mesmo o Lago Ness, então apenas "passamos" por lá e não exploramos muito e nem visitamos cenários de Outlander haha.




LAGO NESS 

O Lago Ness é um lago de águas doces e profundas, que se extende por cerca de 37 km no norte da Escócia. 

Apenas 22 km separam Inverness do centro de visitação do Lago Ness. Antes de viajar eu tinha muitas dúvidas sobre como visitar o lago Ness. Na verdade, o Lago Ness pode ser visto de vários pontos, mas existe um local mais voltado para visitação turística. 

Da estrada mesmo, já tivemos várias visões do lago e inclusive paramos num ponto para poder colocar os pézinhos na água. Pé não né, no máximo molhamos as botas e colocamos as mãos na água, que estava um gelo haha



Mas, voltando ao assunto, se você quer realmente ter uma vista do Lago e ainda conhecer o centro de visitação sugiro que coloque no GPS "Urquhart Castle" ou "Drumnadrochit", onde está o centro. 





Chegamos na pequena vila de Drumnadrochit e almoçamos por ali mesmo, num fish and chips bem legal na rua principal. Atenção: nós chegamos cerca de 15h e vários lugares já estavam fechados para almoço. Já não são muitas opções, imagine com metade fechado! Então sugiro chegar mais cedo, até umas 14h para ter mais opções de almoço. 

Ali também encontramos várias lojinhas de souvenires, onde não resisti e acabei comprando um bichinho de pelúcia representando o monstro do Lago Ness haha, a "Nessie".

Nossa "Nessie" nos acompanhou por toda a Escócia

ERRAMOS - passamos batido e não vimos o centro de exibição do Lago Ness, onde há a escultura de Nessie. Me arrependo, queria ter visto o local. 

Fomos então para o Castelo de Urquhart. O estacionamento é gratuito e o ingresso pode ser comprado logo na saída do estacionamento. 




Hoje em ruínas, o castelo remonta do século XIII e já foi o maior de toda a Escócia. Após cair em mãos inglesas algumas vezes, o local foi atacado diversas vezes pelos MacDonalds, sendo abandonado após o século XVI.








O local é incrível e tem uma vista impressionante para o Lago Ness. Dá até para chegar até o lago. Viu gente, não precisa ficar parando o carro no meio da estrada haha

O castelo é lindo e o lago também, mas o que realmente leva milhares de turistas à região é a fama verdadeira ou não de que o lago é habitado por um monstro, o monstro do Lago Ness.



O primeiro relato autenticado da visualização  do monstro foi em 1880, quando o mergulhador Duncan MacDonald viu uma criatura que comparou a um réptil gigante enquanto estava examinando um navio naufragado. O mesmo nunca mais voltou a mergulhar no lago Ness. 

Em 1923, o animal voltou a ser avistado por um casal de escoceses. Mas foi em 1934 que o cirurgião R.K. Wilson fez a fotografia mais famosa da história do Lago Ness, sendo considerada uma das primeiras evidências da existência do monstro. Porém, décadas mais tarde a foto foi considerada falsa. 

Em 2007, entretanto, Gordon Holmes fez uma filmagem considerada verídica em que podemos ver um animal preto movendo-se pelas águas do lago. Desde 1925, todos os anos há registros de avistações do monstro. A principal hipótese é de que se trate de um plesiossauro, um animal da família dos dinossauros.


Diversas expedições pelo lago já ocorreram mas o fato é que o animal nunca foi achado. Vale lembrar que o lago tem cerca de 37 quilômetros de extensão e profundidade de mais de 220 metros, tudo isso associado ao clima escocês, em que dias ensolarados não são regra. 


Fotografia mais recente do monstro haha 


Céticos ou não, é impossível não ficar uns minutinhos parada olhando pro lago e procurando alguma coisa "estranha", mas não dei sorte haha 




EILEAN DONAN CASTLE

Saindo do Lago Ness, encaramos mais uma hora e meia de carro até o castelo de Eileen Donan, um "must" no nosso roteiro. Estávamos indo para a Ilha de Skye e, ao contrário do que muita gente faz, não pernoitamos em Fort William (conhecemos a cidade apenas na volta de Skye) e seguimos direto para Broadford. 

O castelo de Eileen Donan fica na ilha de Donan no Loch Duich, próxima a vila de Dornie, na entrada da Ilha de Skye. 



Só meu amigo ali na paisagem 


O local foi originalmente construído no século XIII e passou pelas mãos do clã Mackenzie, MacDonald e até espanhóis. Foi em 1919 que o castelo começou a ser restaurado e atualmente é lar do clã Macrae. 



Se você achou o castelo familiar provavelmente está certo. O local já serviu de cenário para Highlander (1985), O melhor amigo da noiva e  Elizabeth, a era de Ouro (2007).





O local cont com estacionamento e um pequeno centro de visitação, que já estava fechado quando chegamos (umas 19h). Aliás, éramos os únicos na ilha haha





Terminamos o dia chegando na Ilha de Skye e pernoitando na cidade de Broadford. No próximo post vou contar direitinho nosso roteiro pela ilha, outro lugar incrível! 



domingo, 13 de agosto de 2017

Roteiro na Escócia - dia 2 : Castelo de Edimburgo

Chegamos em Edimburgo já no início da noite. Não tínhamos programado nada para aquela noite, então, logo após deixar as coisas no albergue, seguimos à pé para o Castelo de Edimburgo. 





Ver o castelo de noite é incrível. O local ganha uma iluminação incomparável. A esplanada (parte externa do castelo) estava vazia então meus amigos e eu éramos os únicos ali, com aquela paisagem só pra gente, num frio de 3 graus. 


ANTES DE IR ...

Atualmente, o castelo figura entre as atrações mais visitadas da Escócia, recebendo cerca de um milhão de visitantes por ano. 

Chegamos de manhã, por volta das 10h e nos encaminhamos diretamente para a bilheteria, situada à direita do portão principal. O ingresso comum custou 17 libras por pessoa (preço em abril/2017). Caso você vá viajar por outros lugares da Escócia, talvez valha a pena comprar o "explore pass", um ticket que dá direito à visitação de várias outras atrações, para saber mais sobre este passe, clique aqui

Quando fomos, em Abril deste ano, o castelo abria as 9:30h e a última admissão era as 17h, porém no inverno o tempo de visitação é mais restrito por conta da luz do sol.


HISTÓRIA 

Do centro histórico da cidade, o castelo domina qualquer fotografia. Situado no topo da Castle Rock, uma colina de rocha de um vulcão extinto há mais de 300 milhões de anos, com mais de cem metros de altura, no fim da Royal Mille, uma das ruas mais importantes e conhecidas da cidade. 

Há muita especulação e poucas evidências acerca das primeiras ocupações do castelo, na verdade do Castle Rock, ainda antes da construção da fortaleza. Uma pesquisa realizada nos anos 80 demonstrou que os primeiros vestígios de ocupação do rochedo do castelo remontam dos anos 3.000 antes de Cristo, num período conhecido como Idade do Bronze.

Depois disso o castelo sofreu vários ataques, sendo conquistado pelos ingleses sob comando de Eduardo I em 1296. Após muitas disputas entre ingleses e escoceses, incluindo a ousada investida do Conde de Moray ao castelo, quando trinta homens escalaram o Castle Rock, o local finalmente voltou ao controle escocês quase cinquenta anos após. 

Dentre as dinastias que habitaram o castelo, talvez a mais conhecida seja a dos Stuart. Em 1542, nascia no castelo de Edimburgo a princesa Mary que seis dias mais tarde se tornaria a rainha dos escoceses, após a morte de seu pai, James V em batalha. Foi o filho de Mary, James VI que após a queda da mãe e da madrinha Elizabeth I da Inglaterra, tornou-se rei da Escócia e Inglaterra , unindo os dois países e pondo fim ao conflito entre os dois países.

Hoje, o que sobrou do castelo remota principalmente do século XVII. Durante toda sua existência, o local foi fundamental para a história da Escócia, servindo como fortaleza e também prisão, durante as guerras napoleônicas e a primeira guerra mundial. 



Vista do Princess Street Gardens



CASTELO MAIS MAL-ASSOMBRADO DA EUROPA?

Edimburgo é considerada uma das cidades mais mal-assombradas da Europa (e do mundo!) e é claro que o castelo, símbolo da cidade, não ficaria de fora das histórias. 

Além do castelo ter sido palco de batalhas e execuções sangrentas, há rumores de que existe uma rede de túneis subterrâneos, que liga o interior do castelo até a Royal Mile e que um dos guardas foi morto durante a exploração de tais túneis. 

Óbvio que não conseguimos comprovar tudo isso, mas que é inevitável não pensar em fantasmas nos corredores escuros do castelo haha


VISITA

O acesso ao castelo, por questões estratégicas, é feito através da Royal Mile, uma das principais ruas da cidade. 




O castelo divide-se em quatro grandes áreas, as chamadas "wards" (ou recintos). São elas: esplanada, recinto baixo, recinto intermediário e recinto alto.


  • Esplanada 
A esplanada é a parte inicial do castelo, de onde podemos ver os portões e ter uma vista super legal da cidade. Esta área é gratuita e grande parte é acessível mesmo quando o castelo encontra-se fechado. 





  • Recinto Baixo 
O recinto baixo situa-se logo após a esplanada. No portão principal (Gatehouse, construído em 1888), podemos ver duas estátuas, referentes a William Wallace e Robert, the Bruce. 

William era um cavalheiro escocês famoso por ter derrotado os ingleses na batalha de Stirling. Para quem assistiu o filme, era o personagem do Mel Gibson em Coração Valente. Já Robert, era um guerreiro que lutou contra o inglês Edward II, tornando a Escócia um país independente e, posteriormente, sendo seu rei. 



Portcullis Gate

Alguns passos a frente, encontramos um segundo portão, com grades de ferro, o Portcullis Gate, erguido em 1574. Por muitos anos, este foi o portão original do castelo. Prova disto é o brasão escocês situado bem ali em cima. 


  • Recinto Intermediário 
O recinto intermediário é o local onde podemos encontrar a Argyle Battery, o Museu Nacional da Guerra, o Museu Real escocês e ainda a antiga prisão militar. 






O Argyle Battery é o pátio externo mais baixo do castelo. Dali, temos vistas incríveis da cidade.








É também no Argyle Battery que podemos ver alguns dos canhões usados pelo castelo. O principal deles é o One O'Clock Gun, canhão originário de 1953 que dispara um tiro todos os dias (exceto aos domingos) exatamente as 13h. A atividade começou para que os marinheiros nos navios ancorados no porto da cidade pudessem ser orientados quanto ao horário. 


One O'Clock Gun 

O Museu Nacional da Guerra faz parte do conjunto dos Museus Nacionais da Escócia. O local abriga instrumentos militares, armas, medalhas e um pouco dos últimos 400 anos da história escocesa. 

A Prisão Militar é um lugar bem diferente. Ao invés de camas, encontramos redes, dispostas sem muito espaço ou privacidade.





Ainda é possível ver restos de roupas e fabricações dos presos. Os americanos, por serem considerados inferiores aos europeus, eram alimentados com rações. 


  • Recinto Alto 


Por últimos, mas não menos importante, temos o chamado recinto alto, onde estão a Capela de Santa Margarida e o Mons Megs (situados bem no topo), o cemitério dos cães e a Crown Square.



Loja de Whisky com chocolate 


O Mons Megs é talvez um dos canhões mais suntuosos do castelo, capaz de lançar bombas de mais de 150 kg a 3 quilômetros de distância! Atualmente serve para comemorações, com umas de suas bombas sendo disparada no casamento da Rainha Mary com o príncipe Francis II, em 1558.



Em frente ao canhão, está a Capela de Santa Margarida, um do edifícios mais antigos da Escócia. Em 1093, após um cerco ao palácio, o rei Malcom III acabou falecendo. Logo posteriormente, sua esposa, Margarida, faleceu. 


Capela de Santa Margarida

O sobrinho de Malcom III, Davi, foi o responsável pela construção de grande parte do castelo, incluindo a capela, e Margarida foi canonizada 160 anos após. 

A última parte que visitei foi a Crown Square. Ali, destacam-se o Great Hall, o Palácio Real e o Memorial Escocês Nacional de Guerra. 


Crown Square



O Great Hall é decorado por armas militares e armaduras. Era ali que as sessões do parlamento escocês ocorriam. 







É no Palácio Real que encontramos uma exposição bem legal das jóias da coroa escocesa. 







O edifício foi construído em 1617, em homenagem ao rei James VI, pois foi ali que a Rainha Mary deu à luz em 1566. Infelizmente não consegui fotografar lá dentro, mas vale a pena conhecer o local. 





É também no palácio real que está a famosa Pedra do Destino, utilizada nas coroações escocesas e inglesas, devendo retornar à Abadia de Westminster, em Londres, para a coroação do sucesso da atual rainha Elizabeth II. 

O Memorial Escocês Nacional de Guerra é um local em homenagem aos escoceses que lutaram pelo país ao longo dos anos. Ali fotos também eram proibidas, infelizmente. 

No total, levei cerca de 3 horas para conhecer o castelo, mas poderia facilmente passar o dia por lá. O mais legal é que não "apenas" um castelo e sim um complexo. Lembra um pouco a Tower of London, mas com menos pompa porém não menos bonito. 


MAIS SOBRE O CASTELO 

Para quem quiser saber mais sobre o castelo e/ou história da Escócia, recomendo o seriado Reign, que conta em detalhes a vida da Rainha Mary. Sou fã e encabeça minha lista das melhores séries que já vi. Também o programa Secrets of Great British Castles, no episódio especial do Castelo de Edimburgo. Ambos estão disponíveis no Netflix